Arrumação faz parte da vida de qualidade

Todo mundo gosta de um lugar limpo e organizado, mas nem sempre é fácil manter esse padrão, que como tudo de bom na vida, exige esforço e tempo. Muitas vezes a melhor maneira colocar as coisas no seu devido lugar é deixar um pouco da preguiça de lado e pôr em prática a arrumação e a limpeza.
Depois que as coisas foram limpas e organizadas, fica mais fácil de manter o local quando as pessoas que estão no ambiente se preocupam em conservar a arrumação. Uma coisa básica para o bem-estar de alguém em qualquer lugar é a ordem.

Quando existe muito tempo que uma pessoa deixou de limpar algum lugar ou colocar em ordem algum objeto, então a tarefa se torna mais árdua. Acumular tarefas em vez de simplesmente manter a limpeza torna mais cansativa a arrumação.

Se uma pessoa que gosta de manter as coisas em ordem e limpas precisa conviver com alguém que não gosta e ainda não colabora na arrumação, esse é um fator estressante que pode desgastar o relacionamento tanto na família quanto na vida profissional.

No mundo da ordem e da limpeza a japonesa Marie Kondo é o expoente das notícias que está atraindo o interesse pelo assunto e mudando os hábitos das pessoas. Marie tem um método próprio para o ambiente ficar mais leve e satisfatório.

O seu método se baseia na felicidade de uma pessoa quando algum objeto está em algum lugar. Caso a pessoa não se sinta feliz com o objeto é necessário que ele seja removido. A faxina é realizada por passos, em primeiro lugar está o vestuário, depois vêm os livros, documentos ou papelada, a cozinha, o banheiro, a garagem e a parte de diversos (chamado de Komono). Por último estão os objetos de valor sentimental.

De acordo com Jerrie Sharp, radiologista que se livrou de um terço dos seus pertences, o impacto que essa mudança tem é a saúde mental de uma pessoa que se torna perceptível com a aplicação dos métodos da Marie Kondo. As distrações do radiologista ficaram de lado e até mesmo a sua produtividade melhorou, aumentado a sua qualidade de vida.

Guilherme Paulus discute sobre empreendedorismo em encontro realizado pelo Estadão

Na função de presidente do Conselho Administrativo da CVC, Guilherme Paulus já declarou que o grande segredo para trilhar uma trajetória de sucesso é confiar bastante no próprio negócio e estabelecer suas metas e objetivos. Na década de 70, aos 23 anos, o executivo fundou a primeira agência da CVC, a qual atraia clientes especialmente para o turismo em cidades próximas, realizado de ônibus.

Durante os quarenta anos que se seguiram, o empresário transformou essa pequena agência na maior empresa de turismo do Brasil, com mais de 8 mil funcionários e 700 lojas em todo o país, que atendem a milhões de clientes anualmente.

Isso tudo só foi possível graças a determinação e a vontade de estar sempre se reinventando de Guilherme Paulus. Entre as apostas adotadas pelo empresário, ele arriscou de tornar sua rede de agências a primeira a fretar aeronaves em voos para o exterior. Além disso, ele também fez com que a CVC fosse uma das primeiras desse segmento a aceitar que os clientes dividissem o valor das passagens aéreas, o que atraiu um grande número de interessados.

Ao longo de um evento promovido pelo jornal Estadão com foco em pequenos empresários, o fundador da CVC contou com mais detalhes a sua trajetória como empreendedor e aconselhou aqueles que estão pensando em investir no mundo dos negócios.

Guilherme Paulus chegou a comparar o empreendedorismo com um jogo de videogame, destacando que é necessário planejar com cuidado antes de agir, e ainda contar com a ajuda da sorte, pois alguns desdobramentos são muito difíceis de serem previstos com antecedência. Sendo assim, conseguir se preparar devidamente para lidar com o inesperado é uma característica essencial para qualquer um que queira empreender.

Para alcançar o sucesso, ele ressaltou que acredita ser necessário ter “10% de inspiração e 90% de transpiração”. Nesse caso, os empresários precisam trabalhar bastante para errar pouco ou quase nada, e também se preparar para conhecer o máximo possível acerca de seu campo de atuação, o que se tornou menos difícil nos últimos anos com o auxílio da internet e do meio digital.

Apesar de muito planejamento, o empresário Guilherme Paulus admitiu que ainda aparecerão problemas, seja qual for o ramo da empresa. Relembrando os primeiros anos da CVC, ele contou sobre as dificuldades enfrentadas para realizar reservas com redes hoteleiras de grande porte e em pagar os custos dos quartos antecipadamente para os clientes que optavam pelo parcelamento. De acordo com ele, era difícil negociar com os grandes hotéis, mas com foco e determinação foi possível assinar contratos vantajosos.

Além da persistência e confiança para ultrapassar as dificuldades, o empresário também destacou durante o evento que o departamento de vendas de uma empresa é essencial para que os negócios cresçam de forma orgânica e seja possível alcançar todas as metas almejadas pelo empreendedor.

Para encerrar, Guilherme Paulus ainda discursou acerca do tema da concorrência e como esta deve ser tratada por um empresário. Segundo ele, é fundamental permanecer alerta em relação a tudo o que ocorre no mercado, até mesmo para a concorrência indireta. O motivo disso está no fato de que o orçamento de um cliente em potencial é o mesmo, e quando os clientes estão gastando com novos veículos ou imóveis, as chances de ocorrer a aquisição de um pacote de viagem nas férias acaba sendo menor.

Guilherme Paulus fala sobre os seus negócios em encontro promovido pelo Estadão

Atual presidente do Conselho de Administração da CVC, o empresário Guilherme Paulus garante que o principal segredo para construir uma empresa bem-sucedida está em acreditar no próprio negócio e ter um objetivo em mente. Nos anos 70, aos 20 e poucos anos de idade, o empresário criou a CVC, na época uma pequena agência com foco no turismo rodoviário.

Nas quatro décadas seguintes, o empresário tornou a empresa a principal agência de turismo da América Latina, com cerca de oito mil operadores de viagem, 700 filiais por todo o Brasil e milhões de clientes a cada ano.

Para alcançar esse importante feito, Guilherme Paulus precisou de muita determinação e coragem para inovar. Como exemplo disso, ele fez com que a empresa se tornasse pioneira em fretar aviões para voos internacionais, além de ter sido uma das primeiras agências do ramo a permitir que os clientes parcelassem o valor dos seus pacotes aéreos, atraindo assim uma nova classe de viajantes.

Durante um encontro realizado pelo jornal Estado de S. Paulo para pequenos empreendedores, o empresário relembrou sua trajetória profissional e compartilhou conselhos importantes para quem está começando no ramo dos negócios.

De acordo com Guilherme Paulus, empreender é similar a um jogo de videogame, sendo preciso bastante planejamento e um pouco de sorte, tendo em vista que em algumas situações é impossível prever o que irá acontecer. Nesse aspecto, estar preparado para enfrentar desfechos inesperados é uma qualidade fundamental para quem pretende se arriscar no empreendedorismo.

Em relação a fórmula para o sucesso, o empresário destacou que, para ele, é necessário “10% de inspiração e 90% de transpiração”. Para isso, é preciso trabalhar de forma árdua com o intuito de errar o mínimo possível, além de se esforçar para ter um amplo domínio sobre o seu setor de atuação, algo que se tornou mais fácil com o surgimento das redes sociais.

Mesmo com planejamento e preparação, Guilherme Paulus ressaltou que sempre irão surgir dificuldades, para toda e qualquer empresa. Ele citou como exemplo os anos iniciais da CVC, quando a agência teve problemas em fazer reservas nas grandes redes de hotéis e arcar com os custos dos quartos de forma antecipada. Segundo o empresário, era bastante complicado negociar com as empresas de grande porte, mas após muita insistência, ele acabou conseguindo fechar bons contratos.

Para superar as adversidades, além da insistência é preciso ter muito foco e a confiança de que um negócio tem o potencial de estar entre os melhores. Contudo, ao longo do encontro com pequenos empreendedores, o fundador da CVC aconselhou sobre ao quanto o departamento de vendas da empresa é determinante para que a companhia possa crescer e concretizar as metas estabelecidas pelo seu dono.

Por fim, Guilherme Paulus falou um pouco sobre a questão da concorrência e como esse assunto deve ser administrado pelos empreendedores. De acordo com ele, é importante se manter atento a todas as novidades que aparecem no mercado, e se preocupar não apenas com a concorrência direta, mas também com a concorrência indireta. O empresário relembrou que o orçamento dos clientes é um só, e que quando o indivíduo adquire um automóvel, por exemplo, dificilmente será possível comprar logo em seguida um pacote de viagem. Por esse motivo, é fundamental estar ciente do que acontece a sua volta e se esforçar continuamente para não deixar passar nenhuma venda sequer.

https://videos.band.uol.com.br/16115131/sonia-racy-entrevista-guilherme-paulus-%E2%80%93-parte-1.html

Guilherme Paulus e sua importância para a hotelaria e turismo brasileiro

O empresário brasileiro Guilherme Paulus é um dos empreendedores de hotelaria e turismo mais reconhecidos pelo seu trabalho na atualidade. Em dezembro de 2017 ele foi eleito o empreendedor do ano pela revista IstoÉ Dinheiro, uma das mais conceituadas do mundo dos negócios.

Além desse reconhecimento, Paulus já recebeu várias homenagens, inclusive em cidades de outros países, como Miami, nos Estados Unidos, e Buenos Aires, na Argentina, por promover o turismo nesses municípios. Na França foi homenageado pelo governo por atrair turistas através de ações de suas empresas.

Guilherme Paulus é o fundador da agência de viagens CVC, que hoje é administrada por uma empresa norte-americana. Paulus ainda é o presidente do conselho da CVC e passou a investir no ramo hoteleiro, criando a GJP Hotels e Resorts, bem como a GJP Construtora e Incorporadora.

 

A primeira empresa se trata de uma rede de vinte e sete hotéis e resorts, sendo grande parte deles de luxo. A segunda empresa do grupo se dedica a construção de condomínios de alto padrão em cidades turisticas e movimentadas do Brasil, a fim de atrair clientes dispostos a investir pequenas fortunas por lares em locais cobiçados por turistas.

Para ampliar ainda mais o seu negócio, Guilherme Paulus anunciou que vai criar mais uma marca dentro do grupo GJP para a inauguração de um hotel de luxo na capital paulista. A entrega do prédio, que vai contar com sessenta e cinco apartamentos, restaurante e espaço amplo para a realização de eventos diversos, deve acontecer entre o final de 2020 e começo de 2021. O empreendimento também deve ganhar uma segunda unidade no Rio de Janeiro, em data e local que ainda serão definidos.

A rede hoteleira de Guilherme Paulus é uma das maiores do Brasil e da América Latina, quando o assunto é turismo voltado para lazer e negócios. No empreendimento existem marcas de hotéis luxuosos, econômicos e intermediários, conhecidos como três estrelas, a fim de atender todos os públicos. Os principais empreendimentos da rede, que iniciou suas atividades em 2005, são a Saint Andrews Gramado, bem como o Wish Serrano Resort.

Recentemente a Fundação 25 de Janeiro completou trinta e cinco anos de existência e Guilherme divulgou uma carta aberta para homenagear a fundação e sua principal marca, a Visite São Paulo. O empresário ressaltou que as quase quatro décadas da empresa são um marco para o setor turístico e hoteleiro do Brasil.

Paulus aproveitou para agradecer todos os associados da Visite São Paulo e da fundação como um todo, pois são eles que movimentam a economia do setor, trabalhando com afinco para proporcionar a melhor experiência possível aos clientes, seja no setor de transportes, hospedagens ou gastronomia.

Por fim, ele salientou que os associados colaboram com as feiras e o marketing de conteúdo, levando o turismo e hotelaria do país a cada vez mais pessoas, e assim consolidando o mercado brasileiro como um dos principais do mundo no setor. Guilherme se diz otimista com o crescimento do país e do setor e convidou os associados a também encarrarem o futuro com otimismo, a fim de obter prosperidade e oportunidades de novos negócios.

Conheça mais sobre a premiação que condecorou um dos hotéis de Guilherme Paulus

O conglomerado hoteleiro de Guilherme Paulus teve uma de suas unidades premiadas através do evento que é comparado ao “Oscar” em termos de relevância para o segmento. Trata-se do World Travel Awards, que atingiu a marca de 25 edições. O resort Wish, sediado em Foz do Iguaçu, no Paraná foi o escolhido pelo público como “O melhor para famílias”. A premiação em questão diz respeito a todos os hotéis presentes na América do Sul.

Para simbolizar a entrega do prêmio, uma cerimônia foi realizada em meados do mês de setembro de 2018. Embora o hotel seja brasileiro, a festividade de premiação ocorreu em terras equatorianas, na cidade de Guayaquil. No ano de 2016 o mesmo hotel da rede de Guilherme Paulus conseguiu vencer o World Travel Awards, mas na categoria que destacava o “Melhor Resort do Brasil.”

Outras unidades hoteleiras do cenário nacional estavam representadas na cerimônia do prêmio de 2018. Como “Melhor Resort de Praia”, o país contou com o hotel Dom Pedro Laguna, de Fortaleza. Já na categoria que escolheu o “Melhor Hotel de Luxo”, o estabelecimento Saint Andrews foi eleito como o que melhor se destaca nesse quesito. Vale salientar que alguns municípios também foram premiados, como no caso do Rio de Janeiro, em razão de ser classificado como um dos melhores destinos voltados aos esportistas.

Os critérios avaliados obedeceram a uma votação de natureza pública a fim de que se elegesse os melhores de cada categoria. Vários pontos foram observados para que se escolhesse os estabelecimentos hoteleiros prediletos dos hóspedes. Dentre os itens que foram preenchidos, houve a observação da infraestrutura oferecida pelas unidades, a qualidade verificada nos serviços, o modo como se desenvolviam os produtos e até mesmo a forma de se administrar os hotéis.

As partes gastronômicas e de lazer são algumas das que mais se destacam no resort Wish, que conta atualmente com um espaço total de 225 hectares. Em 2009 houve a compra do hotel em questão pelo grupo de Guilherme Paulus, o GJP. Assim que ocorreu a oficialização da aquisição da unidade, deu-se início uma espécie de reforma, que levou em conta tanto os aspectos de ordem arquitetônica quanto aqueles relacionados à administração.

A área compreendida pelo hotel está dividida em espaços voltados aos restaurantes, piscinas para adultos e crianças, salão de beleza, parede própria para escalada, adega, etc. Além disso, 215 apartamentos são disponibilizados para locação. Um clube infantil também faz parte das dependências do local de propriedade de Guilherme Paulus, bem como um campo para os hóspedes que se interessem por golfe. Desse modo, os maiores destaques do empreendimento são voltados para quem aprecia o esporte e a gastronomia de ordem internacional.

As iniciais do nome do empresário Guilherme Paulus foram emprestadas para se compor a sigla do grupo GJP. Hoje há um total de 14 unidades hoteleiras em operação na organização. No início, entretanto, a realidade era de simplicidade, já que o empreendedor dispunha de apenas um hotel aberto em todo o país.

No modo de gerir sua rede hoteleira, o empresário imprimiu uma espécie de marca. Periodicamente ele organiza programações com o intuito de aproximar sua clientela da administração dos hotéis. Para que isso ocorra, a participação na gastronomia foi adotada por ele como meio de se conseguir tal intento. Assim sendo, alguns hóspedes podem escolher o que irá ser preparado no cardápio.

Veja através da ótica de Felipe Montoro Jens a importância das parcerias entre setor público e privado

Já é de longa data que os problemas ligados à infraestrutura no Brasil são perturbadores e alarmantes. Em diferentes campos sociais do país, mesmo havendo um aumento significativo na quantidade de recursos financeiros investido, o déficit de infraestrutura é visível em diversos estados e municípios.

 

As demandas por saúde, saneamento básico, educação, transporte e mobilidade urbana são as que mais transparecem a falta de investimentos ano após ano, além de muitos outros setores não citados. De acordo com Felipe Montoro Jens, especialista em infraestrutura no Brasil, o que falta para mudar esse cenário é a parceria efetiva do setor público e privado. Uma das soluções apontadas por Felipe Montoro Jens é que o próximo governo que assumir em 2019 dê total ênfase para a parceria entre os setores.

 

Isso já vem acontecendo ao longo de vários governos, porém, esse casamento entre o público e o privado deve ser tido como uma das questões prioritárias na luta contra a recessão econômica e fonte de recursos de investimentos em infraestrutura. Essa parceria irá impulsionar a economia do país com o envolvimento do setor privado em larga escala com um grande número de empregos formais. Esse é um ponto de vista compartilhado por Felipe Montoro Jens e outros especialistas no assunto, que enxergam nesta parceria a oportunidade real da participação direta da população.

 

As Parcerias Público-Privadas (PPP) foram instituídas como Lei Federal Nº 11.079/04 no mês de dezembro de 2004. Através desta lei, foram aplicadas as regras que permitem as PPPs gerarem os recursos de que o setor público necessita para investimentos constantes na infraestrutura social, movimentando a economia do país com licitações para micro, pequenas e grandes empresas atuarem em todos os setores.

 

Felipe Montoro Jens também aponta que a capacidade de expertise do setor privado é o que irá proporcionar ao governo que assumir em 2019 a ajuda necessária para sanar todas as demandas sociais em déficit no país. Mas nem tudo é um mar de rosas, e mesmo com um número cada vez maior de PPPs em diversos estados e municípios, a legislação sobre o assunto deixa a desejar na questão do pagamento das empresas privadas e das altas taxas de impostos repassadas ao setor privado.

Governo Federal disponibiliza R$ 11,7 bilhões em linhas de créditos para PPPs – Com Felipe Montoro Jens

Felipe Montoro Jens explica que o principal aspecto que irá reforçar as PPPs será a isenção de impostos com uma margem de lucro maior para as empresa privadas, que atualmente devem abrir mão de 40% do que ganham em forma de tributos pela participação direta na licitação.