O que é automação de marketing?

Marketing é sobre pessoas. É sobre alcançar o indivíduo enquanto atrai as massas. Isso significa que, à medida que o mundo evolui, também precisa evoluir. Como tal, a nova tecnologia desempenha um papel integral nas práticas modernas, e qualquer equipe que deseje ter sucesso deve aproveitá-la. É por isso que as equipes de ponta investem mais que outras na adoção de novas tecnologias. De fato, 72% dos altos desempenhos aumentarão os gastos com ferramentas e tecnologia nos próximos dois anos.

O que é automação? É o processo de utilizar a tecnologia para simplificar os esforços, mas mais importante, para torná-los mais eficazes. Usando uma única plataforma de automação, um diretor é capaz de gerenciar todos os aspectos de todas as campanhas do mesmo lugar. Isso inclui:

Email – criação e gerenciamento de campanhas de email personalizadas.

Marketing de mídia social – criando personas de mídia social e orientando as experiências do usuário.

Mensagens móveis – usando SMS, MMS e notificações push para envolver os clientes.

Gerenciando anúncios – alinhando a publicidade em todos os canais.

Mas o melhor software de marketing é mais do que apenas esses recursos. De fato, para as melhores equipes de marketing, uma plataforma que realiza essas coisas é o mínimo – elas estão menos preocupadas com a questão “o que é software de automação de marketing?” E mais preocupadas com “o que é uma plataforma de automação que irá transformar meus resultados ?

Esses tipos de plataformas de automação são capazes de ir além da função usual para capacitar as equipes na criação de jornadas personalizadas de clientes entre canais. Através do rastreamento e análise do comportamento do visitante, o melhor software de automação oferece a capacidade de criar jornadas de 1 para 1 em todos os canais (e-mail, social, etc.) e uma experiência totalmente unificada para o cliente, vendas, serviço, online ou offline.

Qual é o melhor software de automação para suas necessidades?

O software de automação está se tornando um mercado cada vez mais competitivo. Com tantas plataformas agora capazes de cobrir o básico, como um gerente de se certifica de que sua plataforma está ajudando sua equipe a se apresentar no mais alto nível

Flavio Maluf, o empresário que conseguiu empreender em família

Flavio Maluf é um executivo e empresário dono da gigantesca Eucatex, empreendimento responsável pela produção de celulose e papel a qual é redistribuído para todo o Brasil. E além disso, é também responsável por comandar outro complexo de empresas, a qual também age e detém a função de presidente, que representa um dos maiores fornecedores de alimentos para animais, a qual se ramifica entre duas empresas. E acima disso tudo, Flavio Maluf é um dos empresários que mais emprega no Brasil, a qual deu início a sua carreira promissora graduando-se em Engenharia Mecânica pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado).

 

 

 

Flavio Maluf sempre deu prioridade em sua carreira na formação de empresas as quais pudesse trabalhar em família, e assim desde o início conseguir criar um viés de empreendedor a qual conseguiu separar o lado profissional do pessoal, já que em suas palestras de empreendedorismo o que define como ponto essencial para poder ter sucesso como empresário é saber delegar funções, prezar pela formação contínua tanto sua quando de seus funcionários, e ainda mais quando os parceiros de trabalho são os parentes, a qual estimula que haja uma diferenciação entre o relacionamento em que se tem dentro da empresa e aquele que se tem no dia a dia, para que assim não haja diferença entre os funcionários.

 

 

 

E seguindo isso, Flavio Maluf construiu um império de empresas que prezam pela questão ambiental e alimentícia a qual representam uma grande fatia do setor em específico de tais segmentos. E junto a isso, Flavio Maluf propõe uma Lei de Incentivo Fiscal a qual as empresas possam redirecionar uma parte dos impostos pagos ao governo para agirem de forma direta a projetos que são contemplados pelas legislações vigentes, a qual incentiva projetos sociais, esportivos, culturais, pesquisas científicas, de saúde, tecnológicos entre outras. E seguindo toda a trajetória de Flavio Maluf conclui-se que seja um empreendedor a exemplo para aqueles que os enxergam.

Empreendedores devem ser visionários auto-realizadores

Essas florescentes instituições de comércio e economia atestam as antigas linhagens de dinheiro, mentalidade de lucro e grupos mercantis, mas não testemunham a presença de um sistema de mercado. Nas sociedades de pré-mercado, os mercados eram os meios para unir fornecedores e demandantes de luxos e superfluidades, mas não eram os meios pelos quais a provisão de bens e serviços essenciais era assegurada. Para esses propósitos, antigos reinos ou repúblicas ainda buscavam a tradição e o comando, utilizandoa escravidão como fonte básica de trabalho (incluindo os cativos da guerra) e a visão com desdém da orientação para o lucro da vida de mercado. Este desprezo se aplica particularmente ao uso doincentivos e penalidades do mercado como meio de organizar o trabalho. Aristóteles expressou o sentimento comum de sua idade quando declarou: “A condição do homem livre é que ele não viva em benefício de outro”. Com a exceção de algum serviço militar ( ver mercenário ), o trabalho não-escravo simplesmente não era para venda.

A diferença entre uma sociedade com mercados florescentes e uma sociedade coordenada pelo mercado não é, portanto, apenas uma atitude. Antes que um sistema orquestrado pelo mercado possa substituir um sistema baseado na obediência à pressão comunitária ou autoritária , as ordens sociais dependentes da tradição e do comando devem ser substituídas por uma nova ordem na qual se espera que os indivíduos se defendam sozinhos e nos quais todos são permitidos – mesmo encorajado – para melhorar sua condição material. Indivíduos não podem ter tais objetivos, muito menos esses “direitos”, até que a autoridade dominante do privilégio personalizado ou hierárquico tenha sido eliminada. Um rearranjo dessa magnitude implica deslocamentos dolorosos de poder e prerrogativa. Uma sociedade de mercado não é, portanto, apenas uma sociedade coordenada pelos mercados. É, necessariamente, uma ordem social com uma estrutura distinta de leis e privilégios.

Segue-se que uma sociedade de mercado requer um princípio organizador que, por definição, não pode mais ser o respeito concedido à tradição ou a obediência devida a uma elite política. Esse princípio torna-se a busca generalizada por ganho material – uma busca por melhoria que é única para cada indivíduo.

Índice de Confiança dos empresários aumenta entre julho e agosto de 2018

A confiança de negócios em alta depositada pelos empresários brasileiros na economia do país, teve um crescimento em julho de 2018. Esse aumento pode ser mensurado através do ICEI – Índice de Confiança do Empresário Industrial -, com dados levantados pela CNI – Confederação Nacional da Indústria. De acordo com o índice, a confiança dos empresários atingiu 53,3 pontos no mês de agosto deste ano, o equivalente a uma elevação de 3,1 pontos em comparação com o mês de julho deste ano.

Os dados sobre o índice foram divulgados no final do mês de agosto de 2018. O índice funciona com uma escala de pontuação, onde as notícias sobre a marcação dos pontos, tem como o divisor de águas a faixa de 50 pontos. É a partir desta faixa de pontos que a divisão entre o otimismo e o receio dos empresários brasileiros acontece. Ainda que o crescimento observado seja o melhor desde o episódio da greve dos caminhoneiros, a confiança dos empresários ainda está abaixo da média histórica de 54,1 pontos, o equivalente a uma baixa de 0,8 pontos.

Diante dos componentes utilizados pelo ICEI, o que teve mais destaque foi o índice de condições atuais das empresas, onde houve uma aproximação de 50 pontos. O índice de expectativas teve uma elevação de 2,8 pontos e chegou a 56,3 pontos, sendo que a expectativa para a economia brasileira teve um aumento de 3,9 pontos, chegando a 50,9 pontos em agosto deste ano.

De acordo com a CNI, o número de empresas consultadas foi de 2.838 empresas, com 1.126 empresas de pequeno porte, 1.061 empresas de médio porte e 651 de grande porte. O ICEI registrado em todas essas empresas teve um aumento entre os meses de julho e agosto deste ano, com valores acima dos 50 pontos. Empresas de grande porte foram as que demonstraram maior otimismo.

Os índices observados separadamente entre as empresas de pequeno, médio e grande porte, foram de 51,2 pontos, 53 pontos e 54,4 pontos, respectivamente. Na observação entre os setores da economia, o índice também demonstrou crescimento no período avaliado. A indústria de extrativos foi a líder e obteve a maior confiança do setor, com 58,5 pontos, estando a frente da indústria da transformação e de construção, que tiveram 53,5 pontos e 51,8 pontos, respectivamente.